publicidade

quinta-feira, março 30, 2006

Aviso aos baianos: os belgas estão chegando

E não são os canários. É. O povo da Bélgica está encantado com o Brasil, sobretudo a Bahia. A ponto de até o embaixador daquele país, Johan Ballegeer, eleger a terra do acarajé para freqüentes estadas de veraneio e trabalho. O interessante da questão é que os belgas solteiros vêm, chegam com seus olhos azuis e abafam: se apaixonam por aquelas negras maravilhosas e sestrosas que só a Bahia tem.
A embaixada diz que mais de 150 belgas já moram em Salvador. Trabalham e geram emprego lá em diversas áreas. Cininha me diz que há uns "mergulhadores saradões", que trabalham na recuperação de navios e "são verdadeiros deuses belgas". Em contrapartida, a Bélgica tem subvencionado a instalação de escolas agrícolas no interior do Estado. Já são 25. A população ganha orientações técnicas principalmente a respeito de criações de ovinos e caprinos. Sem falar no capítulo cultural, com direito até à presença em nossas paragens da famosa orquestra do Théâtre Royal de la Monnaie

terça-feira, março 28, 2006

Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner

Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner Miguel Kelner

quinta-feira, março 23, 2006

Boa notícia para as caras de empada

Glorinha Kalil, que apesar de ser jornalista de moda não tem a cara de empada própria de seus pares, está organizando com o Meio & Mensagem um seminário sobre marketing de moda. Objetivo é repetir a dose a cada ano, e sempre contando com nomes célebres da área. Tudo dirigido a empresários, profissionais de marketing e comunicação, da indústria e comércio varejista, editores, jornalistas, críticos e especialistas de moda, do Brasil “e do exterior”, deixa ela usar de sua dose de pretensão, porque também é filha de Deus...

### Tudo a partir de abril, dia 25, com nomes importantes deitando a falação. O matador e congelador de perus, ministro do Desenvolvimento Luiz Fernando Furlan, dono da indústria Sadia, falará na abertura, o presidente do dadivoso (para os ricos) BNDES, Guido Mantega, também. Depois tem um monte de gente, até o Paulo Borges, criador do SP Fashion Week, e mais, e mais. O controvertido da questão é que a empresária Eliana Tranchesi, da Daslu, sairá das páginas que tratam de não-impostos de importação, digamos assim, para dizer sobre o tema “Moda que brilha”.

### Quem quiser participar deverá ter disponível o habitual carão de Patrícia Brandão e R$ 1.100 na conta bancária.

terça-feira, março 14, 2006

O Rio treme: Nina Chavs está de volta!

A mulher que fotografou com lentes irrequietas a vida social do País a partir do Rio, que debochou do luxo, decretou classe ao mundano, ela, Nina Chavs, está de volta ao Brasil, depois de décadas dirigindo a Galeria Debret, em Paris, como funcionária da nossa embaixada na "cidade luz". Nina garante que vem aposentada, só quer fazer tricô, mas sabe-se que "O Globo" já teria acenado com luz verde-esperança para sua volta ao caderno "Ela", orfão de charme desde sua saída, lá pelos anos 80. Teria o próprio João Roberto Marinho já feito o convite. Vamos aguardar. E torçamos para que nossa rainha queira voltar a sentar no trono da mais poderosa e emblemática colunista social do Brasil. Deus é pai!

terça-feira, março 07, 2006

Texto sem cortes: O baile de la Tornaghi foi “show de bola”

Faltam a esta nova safra de “promoters”, que palavra, do Rio e de São Paulo, o carisma e a competência da Anna Maria Tornaghi. Desde que o mundo (social) é mundo (social), Anna sempre esteve à frente dos eventos mais badalados do eixo Brasil-Nova York. É sempre assim: ela trabalha em silêncio, na maciota, atende ao telefone e finge não ser ela (como se fosse possível desconhecer sua grave voz), e quando ressurge, institui o cala-boca da concorrência. Agora, La Tornaghi e La Varsano (Valéria, sua principal parceira, e queridíssima por todos) anunciaram despretensiosamente - eis o segredo que a Fernanda-diminutivo Barbosa e a Alice-diminutivo Cavalcante precisam aprender - um baile de máscaras fora de época, quer dizer, fora de época é modo de falar, alguns dias depois do carnaval, no Sofitel, na Avenida Atlântica. Se eu disser que foi o melhor baile carioca, sem a pose e o falso “glamour” de uns e de outros, não estarei exagerando. O “Bal Masqué” do Sofitel, na última sexta-feira, foi um espetáculo! Show de bola, como se diz na gíria.

Não havia homens e mulheres quase pelados, como a gente vê em bailes carnavalescos de por aí, em hotéis que se intitulam “glamurosos”, que têm “promoters-decoradores” com cabelos pintados no último grito graúna. Diz a lenda que estes descem pela Avenida Atlântica de madrugada, um dia antes do baile, e arrebanham toda a casta de prostitutas e garotos de programa, vestem neles detalhes de plumas e paetês, e os põem no meio do salão para fazer figuração. A turma selecionada vibra porque, continua me dizendo a lenda, ali em meio ao grã-finos e alguns pseudos, podem agendar seus programas futuros. Consta até que um levado diretor de novelas tirou um desinibido rapaz da “figuração” de um baile e o promoveu a ator de novela de horário nobre, sortudo, o guapo, indulgente, a emissora. No baile de Anna Maria Tornaghi e Valéria Varsano, todo mundo, ou quase, se conhecia. Gente bonita, gente fina, gente bem vestida. E aí a turma pergunta por que é que Anna-Valéria não fazem este baile desde uns (pelo menos) dez anos antes?... O carnaval do Rio teria sido muito melhor.

Desde a porta, até o salão, estava tudo perfeito. Atores mascarados e fantasiados criativamente cercavam uma espécie de corredor para os convidados, dando boa noite, ou fazendo um gestual teatral em silêncio, uma reverência. As famosas recepcionistas de La Tornaghi, todas de vestido longo seco, fluido, feito uma grande camiseta de crepe de seda, mais um detalhe supercriativo de maquiagem no rosto (algumas tinham a miniatura dos Arcos da Lapa em uma das bochechas, por exemplo), dando aquele show de categoria, como sempre. As recepcionistas de La Tornaghi parecem todas educadas no Sion.

Quando se adentrava o salão, o ar-condicionado no último volume, eis que logo vinha um garçom com uma garrafinha, daquelas chamadas “baby”, de Chandon tinindo de gelado. Aí a turma não parava, era uma “baby” a cada dez minutos. Parecia um berçário: “baby” pra todo lado. Foi o bastante. Quando a ótima orquestra apitou o primeiro acorde, o povo saracoteou até não poder mais.

A decoração era bacana e despretensiosa, palavra importante neste universo de “decoradores carnavalescos” que só faltam pendurar o próprio fígado no teto. Bolas coloridas pendiam do telhado e se encontravam com faixas enormes de tule e organza brancos que saíam do chão ao alto. Isso tudo, aliado à iluminação indireta, gerou um efeito impressionante. Camarotes ao redor de todo o salão abrigavam os “vips”, fazer o quê? - eles estão sempre presentes.

Giovanna Priolli chegou capotante, de azul, muito linda, de cabelos claros, ao lado de Mário. O casal contava que os 40 anos do seu Canecão serão tema de enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel, no carnaval do ano que vem, e Giovanna me convidou a desfilar. Disse que só o faço, se puder tocar cuíca na bateria. Todo mundo promete riscar a passarela com a Mocidade, ano que vem. Silvinha de Castro, interina de Nina Chavs nos áureos tempos da jornalista franco-brasileira, foi de longo preto. Walesca Carvalho, com Chris Skowrosnki, era uma das mais bem vestidas do baile, como sempre. Dizer que Waleska está bem vestida é redundância. Com máscara feita pelo expert Alberto Sabido, perdão, Sabino, Waleska era a própria princesa.

Leiloca, que cantou “eu sei que eu sou bonita e gostosa” no tempo das Frenéticas, tomou pra si a expressão e pôs uma saia longa, um top de seda, nenhuma referência carnavalesca, e estava luminosa como a lua em Áries ou o sol em Leão. Na fila de foliões que entravam no baile encontrou com Marianinho Marcondes Ferraz (o tio), e ele logo aproveitou para fazer uma consulta astrológica, porque Leiloca entende de tudo, e mais um pouco, sobre astros. Humberto Saade estava com uma camisa preta e dourada, dos seus tempos de Dijon. Se ele abrisse a porta do closet, a camisa seria capaz de ir caminhando pelo calçadão de Copacabana, sozinha, do Chopin ao Sofitel, tão conhecida ela é.

Um baile de carnaval que tem a artista plástica Marília Kranz entre seus foliões está longe de ser comum. E Marília, como sempre, estava animadíssima. A juíza mais bonita do Estado do Rio, Cristiane Leppage, que dirige o Fórum de Bangu, marcou presença, com a amiga Gisele Sardas, defensora pública, filha da desembargadora Letícia Sardas, diretora de comunicação da Associação dos Magistrados Brasileiros. São daquela turma de mulheres lindas que instituem o alvoroço quando passam espargindo charme pelos corredores da Justiça. Dona Bibi Franklin Leal era outra presença de destaque, e garantia peso social ao evento.

Lígia Azevedo estava com o amigo Chico Vartulli, o arquiteto das estrelas, que comemorava o título da Vila Isabel. Chico é chique e tem entre seus clientes o presidente daquela agremiação azul e branco. Glorinha Távora formava mesa com Andréa Macedo, herdeira do “Diário de Natal”. O arquiteto Francisco Amorim, que desenha os bares e restaurantes mais disputados da cidade, pôs um smoking bem cortado e estava lá, alvoroçando corações. O professor de jiu jitsu, modelo e ator Miguel Kelner, ao lado de uma loura capotante, alvo de olhares cobiçosos de gregos e praianos, quer dizer, troianos. Kelner tem quase dois metros de altura, e por isso tinha visão panorâmica do salão, feito o dono de um automóvel Fox, da Volks – diz o comercial na TV que quem tem um Fox “vê a vida de outro ângulo”.

Encontrei a Zezé Mota e reafirmei o que disse aqui outro dia. Fica todo mundo ensandecido, contando que a Naomi chegou, que a Naomi partiu, que a Naomi espirrou...Eu sou mais a Zezé Mota! Ela me respondeu: “arrasou”! A apresentadora Leila Richers exagerou na dose de silicone nas bochechas, está parecidíssima com Rosana-como-uma-deusa. A bateria do Salgueiro, quando chegou, arrebanhou foliões. Mulatonas altas, feito cavalos do Rio da Prata, rebolavam, rebolavam, rebolavam.

As “irmãs sisters”, dois foliões que se vestem luxuosamente de mulher todos os anos, e vão aos bailes mais animados do Rio, também disseram sim. Uma delas, bonitíssima, tem quase cinco quilos em cada panturrilha - é parrudona, fortona de academia, e dentro do modelito feminino, ombros largos, fica engraçadíssima. Isabel Lito, parece, estava sozinha. Sábia. Antes só do que mal acompanhada. Lucy Sá Peixoto estava fantasiada de chinesa. Angelique, aposto que na carteira de identidade é Angélica, porque paraense de nascimento, e milionária turca de casamento, quer dizer, de viuvez, foi a primeira a chegar. Fui o segundo e, quando a vi, ela já estava sentada à mesa, comendo - inhoque-inhoque. A arquiteta Fátima Martins, sumida, estava linda, como sempre, e feliz com o sucesso da Escola de Samba Estácio de Sá, onde agora sua família dá as cartas.

O ator(doante) Carlos Machado, o coreógrafo Antonio Negreiros, Haroldo Costa e Mary, também presentes. Do Sul vieram os queridíssimos decorador João Vicente Correa e professor de dança Fernando Saraiva, ambos do SPA Kurotel de Gramado, que me contaram: o futuro senador Francisco Dornelles e Cecília passaram o carnaval cuidando da saúde naquele paraíso na Serra Gaúcha. É bom o doutor Francisco descansar mesmo, porque a campanha será estafante. Em Niterói, ele já tem em seu time o principal cabo-eleitoral jovem da Cidade Sorriso, Rodrigo Chammi – certeza de sucesso e muitos votos.

PS. Já que falei em Niterói, se houver um termo para qualificar o carnaval da Cidade Sorriso, anunciado pela prefeitura como completamente “revitalizado”, a palavra é...Deprimente!

sexta-feira, março 03, 2006

O casal mais lindo na folia

Adriana Esteves passou o carnaval na Bahia com seu marido, o baiano Vladimir Brichta. O casal ganhou o troféu de mais animado do bloco Ara Ketu. Veja a foto, de Fred Pontes. Adriana tem ou não razão de se sentir a mulher mais feliz do mundo?