publicidade

quinta-feira, dezembro 28, 2006

A primeira faz tchan, e o Vesgo faz booooo!

Adriane Galisteu, que eu gasto o meu, que só vai a salão de beleza de madrugada, para não “sofrer” assédio, ah, um arrastão, abriu seu apê de São Paulo, decorado pelo Migotto, para a tradicional festa do amigo oculto, quando reúne um monte de gente (sua) conhecida. Mas até que desta vez havia famosos. A Carolina Ferraz, emburradíssima, como sempre, foi, Jô Soares, livre da ditadura de seu (des)figurinista de cena, idem-idem. Danielle Winits, que pessoalmente não é nada daquilo que aparenta ser na TV, por incrível que pareça, era uma das mais animadas. E foi aí que alguém gritou, para desespero geral: “O Vesgo do 'Pânico' está lá embaixo”. Era alarme falso.

NA FOTO - Toda orgulhosa, a bonita Ivone Hadid Kelner faz pose ao lado do filhão, o modelo e mestre de jiu jitsu Miguel Kelner, provando que beleza na família vem embutida no DNA...

quarta-feira, dezembro 27, 2006

PIB paulista chez Jorge Elias

Depois de que o Sig Bergamin engordou (também os orçamentos), JorgeElias vem se posicionando no posto de mais exclusivo e talentoso arquiteto/decorador do Brasil, a partir de São Paulo, onde está seu escritório e seu chateau, no Jardim Europa, tido com um dos mais bonitos dos que se tem notícia. Jorge e Lucila também são um dos casais mais bacanas da paulicéia e, todos os anos, virou tradição,reúnem os amigos para uma festa natalina, o que não foi diferente desta vez. Aconteceu sexta-feira, e a paulistada jet set compareceu em peso, de A (Ana Elisa Setúbal) a Z (ih, com Z não tinha ninguém).

### Mas estavam lá, todos vestidos de branco, como pedia o convite, a Christiana Neves da Rocha (na foto com Alice Carta), filha da minha saudosa amiga Lia, com vestido detalhado por fita preta de gorgorão no decote, a Alice Carta, o Paulo Setúbal com semblante preocupado, pois um dia antes um segurança de seu banco Itaú executou um correntista pobre e preto,"são quase todos pretos", canta Caetano, na porta-guilhotina de uma agência na Avenida Rio Branco, no Rio, estava lá também o MarceloPalhares, todos os Scarpas (fato inédito): Chico, Patsy (elegantérrima) Renata e Chiquinho, este medonhamente vestido, como é a sua moda, uma correntinha curta de ouro a adornar o pescoço sobre a camisa branca toda abotoada.

### A condessa Rosemari Rosenbecker, encantada com tanto chiquê, a linda Ana Paula Junqueira, Teresa Fittipaldi com o filho Lucas, que herdou elegância e beleza de mamãe, Fernando Altério com Paula Raia, a mandachuva da Lancôme no Brasil, Nizan Guanaes e Donata Meirelles, ele cada vez mais magro, depois da cirurgia de redução do estômago, a Helena Bordon, a Fernanda Abdalla, Romeu e Adriana Trussardi, ele é filho da Maricy, você sabe, a voz que destoa das traquinagens de Paulo Maluf - César Tralli com a mulher Cássia Ávila, o casal namora-separa Stefano Hawilla e IsabellaFiorentino, ah, e para não dizer que só falei de flores, a Daniela Cicarelli com seu namorado caixa alta Tato Malzoni. Quando a Lucília Diniz chegou alguém perguntou: "você não se machucou ao cair do céu"?
A Lucília é uma estrela.

segunda-feira, dezembro 25, 2006

Olha o que Papai Noel deixou na chaminé do blog

Uma colagem de fotos do Oscar Filho, "Casinho" para os íntimos, que é simplesmente O cara.

E neste dia de Natal, abro aspas para o grande poeta, Vinícius de Moraes, para tratar de assunto muito pertinente: amigos.

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências…
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer…
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os".

Lindo, não? Feliz Natal a todos os meus amigos. Mesmo àqueles que não sabem que são meus amigos.

sábado, dezembro 23, 2006

Da série "fico pê da vida com"...

...sei lá com quem, que, na redação da "Tribuna da Imprensa", acha de pôr e/ou tirar vírgulas dos meus textos, separando sujeitos de verbos assim, com a mesma freqüência da falta de aviões da Tam, por exemplo.

PS. Diante do tamanho deslumbramento, da insegurança, da tremedeira com a qual permeia suas relações com os "famosos" e pseudos do Rio, a "promoter" Carol Sampaio já foi devidamente apelidada de "Carol SEMpaio".

PS2. Ah, não deixe de reler isso, um assunto muito atual: http://marciog.blogspot.com/2006_05_01_marciog_archive.html

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Mais um drama na família Collor de Mello

Depois da expulsão do Collor do Planalto, das sessões de magia negra (dizem) nos porões da Casa da Dinda, lideradas por uma "mãe-de-santo" vinda de Arapiraca, nos cafundós das Alagoas, depois da morte inexplicável do PC Farias, do aneurisma do Pedro Collor, da morte da matriarca dona Leda (que gostava de ser chamada de Léda, e não de Lêda), depois da separão de Collor de Rosane, indiciada por desvios na falecida LBA, mais um drama toma de assalto o clã Collor de Mello: é grave o estado de saúde de Leopoldo, irmão do ex-presidente da República e senador eleito. Leopoldo sofre de câncer no pescoço (nunca ouvi falar), já perdeu parte do maxilar (meu Deus, como uma pessoa perde parte do maxilar?), e passa por grave crise financeira (o irmão milionário não ajuda?). Leopoldo não sai de casa, com razão. Leopoldo não quer ver ninguém.

domingo, dezembro 17, 2006

Narcisa faz escândalo na casa dos Monteiro de Carvalho

Barraco na alta sociedade. Na festa de casamento de Constança Teixeira de Freitas com o herdeiro francês Thierry Costes, na casa da avó da noiva, Evinha Monteiro de Carvalho, sábado, uma visivelmente alterada Narcisa Tamborindeguy resolveu acertar as contas com seus desafetos. Deu sopapos, jogou champanhe, xingou palavrões. Na lista dos agredidos estão a empresária Regina Lundgreen, a apresentadora Glória Maria, a socialite Lise Grendene e o jornalista Bruno Astuto, de "O Dia". A festa parou. Narcisa fazia dupla com - o tão doido quanto - Joaquim Álvaro Monteiro de Carvalho, tio da noiva, que vestia camiseta regata e calça jeans. Lilibeth Monteiro de Carvalho, mãe da noiva, mandou expulsar Narcisa da festa.

Nem apagão derruba Ivete

Conheci a Ivete Sangalo na casa do ator Marcio Garcia, quando ambos não eram tão famosos assim, pelo contrário, Ivete estava começando na banda Eva.  Ivete fez um show retumbante, decantado em verso e prosa por aí, sábado, no Maracanã. Nem o apagão que originou uma pane no som (e a cena era para gravação de DVD) tirou fôlego da gata. Bem humorada, para a alegria de 60 mil súditos (informação da PM), Ivetona teve de repetir algumas músicas para a cena ficar nos trinques. Talvez seja a primeira baiana a assumir o trono de musa do verão carioca.

Ivetona não fez por menos. Até onde contei, foram cinco ou seis roupas. Se é que alguém estava preocupado com isso. Ah. Detalhe importante: todos os looks foram feitos por Alexandre Herchcovitch, para desgosto do Tufvesson. Baiana com tudo em cima e a cabeça em dia, a gata mandou alguém decorar seu camarim com fotos do Cristo Rendentor – mais carioca, impossível.

Quem pensa que Ivetona mandou pedir 25 mil toalhas brancas, um milhão de garrafas de garrafas d’água Perrier e um campo de futebol no camarim, como fazem as grandes “estrelas” de por aí, está enganado. Decorado com a simplicidade-marca-da-baiana, seu ambiente reservado para antes e depois do show não tinha nada de escalafobético, apenas algumas almofadas, uns sofás brancos, e só. Acessível como ela só, foi aí que a Ivete ficou pê da vida quando soube do festival de caras e bocas e egos inflados protagonizado pela “promoter” Carol Sampaio - pode chamá-la de Carol SEMpaio - e pela assessora de imprensa Renata de las Couve, da empresa Impress, que não deram atendimento digno a algumas figuras cariocas, subiram no salto alto, mas logo naufragaram na tal da insignificância. “Quem são as duas, elas são famosas aqui no Rio, são, meu rei”? – perguntou a cantora depois do show, para logo ficar tranqüila ao saber que ninguém as conhece - foi um acidente de percurso da produção.

Ivete nos bastidores é aquele azougue que todo mundo conhece em cena aberta, talvez por incansáveis sessões de esteira e musculação, mas sem a encheção de saco de um “personal trainer”. Antes de começar o show, não cansava de se levantar da “chaise longue” e caminhar até o fundo do palco para, escondidinho, ver o povão começando a chegar. Ansiosa, perguntava sem parar a seu irmão empresário Jesus Sangalo (este nome é um achado): “vem muita gente, vem, meu rei”? Ele apenas sorria. Sabe o diamante com o qual cresceu na Bahia, com o qual passou grandes barras (vendiam quentinha na infância-adolescência) e pelo qual dá a vida hoje, porque se amam como poucos. É Ivetona olhar, para o Jesus entender, e vice-versa.

A produção montou um vídeo com imagens de “amigos” (mas com muitos colegas) desejando tudo de bom à baiana. Dizem que foi surpresa, que Ivete não sabia, e pelo chororô que se instalou no momento em que a gata assistiu, acho que ela ignorava a função mesmo.

A cena da Ivetona só foi terminar lá pelas quase três da manhã, já que o tal apagão atrasou, e ainda teve a obrigação de a cantora repetir algumas músicas por ordem do diretor do DVD. Mesmo assim, após o balaco, ela mudou de roupa, pôs sandálias de dedo e deu uma entrevista coletiva retumbante: divertida, inteligente, sem pedestal. Foi aí que a baiana anunciou que vai entrar para o “hall” da fama do Maracanã, que tal?

Uma semana inteira de ansiedade, contou Ivete. Ela é profissional a ponto de querer saber de todos os detalhes, ainda que confie cegamente no irmão – nem todo mundo tem um Jesus para chamar de mano, né... Cantar no Maracanã era um sonho antigo, e entrando no paco ela atacou de “abalou, sacudiu, balançou de verdade”, o que fez o estádio tremer como num Fla-Flu- domingo-de-sol-com-Jorge-Ben-Jor-na-arquibancada. Sobre a morena, luzes cor-de-rosa.
Entre os cachorros-quentes e a pipoca servidos na “área vip”, salvaram-se todos da sede-de-fama dos “promoters”. Meu Deus, o que era aquilo?

Até Xuxa foi. Com Sasha. E a loura mereceu da cantora um chamego especial: em cena aberta, Ivete agradeceu a presença da rainha e dedicou a ela a música “Doce mel”, suscitando zum-zum-zuns, como sempre.

Ivete cantou “Corazón Partío”, com Alejandro Sanz, e abalou Bangu. Piadista, nos intervalos de uma ou outra música, porque se tratava de uma gravação, e às vezes os ajustes demandavam tempo, descontraía a multidão com suas histórias ou cantava um ilariê fora do roteiro.

Feito um rastilho de pólvora, um boato de que a baiana está grávida tomou de assalto a “área VIP”. Perguntada na entrevista de logo depois da cena, Ivetona negou. Quando parei de contar, estava na 25ª música. E Ivete atenta feito um canário belga às sete da manhã, piando por alpiste. Desviei minha atenção, quando a linda Grazzielli, ex-BBB, foi embora mais cedo, antes de o show acabar. É que o namorado ficou em casa, com febre.

Preta Gil, depois da cantora, era talvez a mais animada da noite. A rainha da bateria da Mangueira estava a mil por hora, e esquentava as turbinas para ainda dar uma passadinha na quadra da verde-rosa - bater o cartão de ponto, porque caso contrário leva falta.

Carolina Dieckman com aquele semblante parecido com o do figurinista do Jô – comeu e não gostou. Que será que se passa na cabeça da Carolina Diekman? Pensa tratar-se de uma Nicole Kidman? Cartas para a redação. A faixa de homem mais bonito da noite, emitida pelo colunista, foi parar nas mãos do ator Max Fercodini. Não havia concorrente à altura.

Beth Carvalho foi com a filha Luana. Ivete ainda cantou com Samuel Rosa, do Skank, e com Buchecha. Descontraída, refez cabelo e maquiagem em pleno palco, para loucura geral da platéia. Na hora do apagão, trouxe a banda para o centro do palco, fez uma oração e seguiu para o camarim. Foi atendida logo depois, e adentrou de novo o tablado cantando a música “Conquista”.

Entre os chamados vips, ainda, a lista de presenças é grande: Mariana Ximenez ganhou a faixa (também emitida pelo colunista) de a mulher mais bonita. Samara Felippo, que tem um dentista de Niterói na fila de pretendentes, declarou que só Ivete Sangalo a “tira de casa”, porque, todo mundo sabe, a Samara agora faz a linha “low profile” – ah, bom. Thiago Lacerda e Vanessa Lóes, depois de um longo inverno, agora vivem no verão da gravidez e estavam cheios de amor para dar, dançando coladinho, Nem aí para a “promoter” Carol Sampaio, que teimava em pedir “uma foto” ao lado dos belos. Uma “promoter” cafona, pelo que se percebe.

Nívea Stelman, outra que faz a linha “low profile”, mas vai até a batizado de cachorro em shopping de Brás de Pina, é uma mulher de oportunidades e logo fisgou por uma noite o ator Thiago Rodrigues, unanimidade do bem no Projac, estrela da atual novela das oito. Nívea garantiu as fotos das revistas e dos jornais durante a quinzena.

Karina Bacchi, a dona do piercing mais íntimo da temporada, tendo exibido o acessório nas páginas daquela revista de mulheres peladonas, também foi e dançou tanto, que parecia uma loura do tchan. Passando as festas de fim de ano no Rio, madame Suzana Werner, mulher do goleiro Julio César, do Milan, chegou da Itália e lá estava a loura, sacolejando o esqueleto e contando os minutos para ir ao camarim dar uma beijocas na amiga – se conhecem há muito (desde aquele meu tempo com Ivete na casa do Marcio Garcia).

sábado, dezembro 16, 2006

Sábado de sol com Ivetão no Maraca

Não tem para ninguém. O programa de hoje à noite é ir ao show/gravação de DVD da Ivete Sangalo, no Maracanã. É. Não tem páreo nem para uma hipotética vinda surpresa de Sua Santidade Bento XIV à Cidade Maravilhosa. Ivetona ganha do Papa. Uma cara-de-empada comanda a “área vip”. Ela que me aguarde.

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Texto sem cortes: Nuit de Noel: primeiro time e “rififi” no mesmo salão...

Tintura de picumã masculino foi o que mais imperou na festa Nuit de Noel, que aconteceu anteontem nos novos e magníficos salões do Copacabana Palace. O que tem de homem pintando o cabelo no “society”, eu nem te conto, e os tons são os mais variados. Do mostarda-rapadura ao esmaecido-cor-de-mate, do louro-esverdeado ao clássico negro-asa-de-graúna. Entre as mulheres, o que anda reinando são as tiaras. Bastou o convite dizer que o traje é black-tie para algumas das damas da “sociedade” carioca sapecarem logo um arranjo de cabeça.

O primeiro time social marcou presença com pouquíssimos representantes, afora, claro, as esforçadas aves de outros planetas e longos carnavais. De Brasília veio uma van apinhada, porque avião nesse nosso céu de anil, só a Luiza Brunet, ou a Maria Raquel de Carvalho, e olhe lá. Daí que as brasilienses puseram seus tafetás na sacola, lançaram mão de um tênis básico, e cruzaram as estradas em direção ao Rio, cidade maravilhosa, berço do samba e das lindas canções, peçam à doutora Ellen Gracie para não guardar má imagem.

Na trupe de Brasília veio a Maria Inês Nogueira, num misto de vestido-fantasia salpicado de plumas balouçantes. No tempo do Clóvis Bornay no Hotel Glória, logo se batizaria a indumentária de “Chapadão das glórias na seara da rainha Vitória”, mais ou menos isso. E Maria Inês circulava esvoaçante – nem era com ela.

Ainda do Cerrado, a posudérrima Ana Maria Gontijo, que olha para a turma com um sibemol acima. Mas se o capítulo é a Corte, não tem para ninguém. A mais classuda, a mais impactante na Nuit de Noel era a Lílian Gurgulino. Que mulher interessante! Dentro de um vestido cor-de-cereja, Lílian estava uma uva.

Entre as cariocas, vai ser difícil escolher a mais elegante. Havia muitas. Regina Marcondes Ferraz, que agora é Gama, mas ninguém consegue chamá-la assim, por exemplo, de vermelho, era a própria aparição da santa. Mas uma santa com biografia. Regina nasceu com o talento da classe! Silvinha Fraga, rosto mais leve depois de um lifiting, pôs um longo verde-pinheiro de Natal. Andréa Rudge chegou ao lado do maridão Otávio dentro de um longo de seda cor-de-rosa-meio-acerola de chamar a atenção. Lindíssima, como sempre, e com jóias de corais e diamantes fabulosas.

Rosa Maria Barreto, classudérrima, dentro de um vestido dourado com jóias de águas-marinhas belíssimas. Miriam Gagliardi com seu clássico batom vermelho. Lucília Lopes estava com um vestido interessante: cor-de-carbono. Elizabeth Araújo, primeira-dama do Pró Cardíaco, lindérrima, com sua postura de bailarina clássica e um lindo colar de ouro-velho. Hecilda Fadel dentro de um modelo bordado feito pelas mágicas mãos do Jerson. E a juíza Maria Vitória, ao lado do seu charmoso Henrique Riera? Elegantérrimos!

Os salões estavam decorados à moda Copa: magníficos! Uma famosa socialite, tendo deixado de lado os óculos, confundiu-se e saiu cumprimentando os anjos de gesso em tamanho natural espalhados pelo salão. Pensou tratar-se de seres animados. Kátia Lage, a linda mineira, me olhava com o semblante de “estou te conhecendo, mas não sei de onde”, eu fiz a mesma linha, porque essa é uma linha providencial. O desembargador Luiz Felipe Francisco, mais magro, superem forma, também me apresentou um amigo que diz que me conhece “de nome”. Diante de tamanha popularidade, estou pensando em armar uma banca para vender serpentina no réveillon da Atlântica.

A Nuit era de Noel, aliás, e coitado do Papai Noel! O velho foi esquecido na portaria, onde estava lotado para receber os convidados. Nem um copo d’água levaram para o homem, que suava em bicas. No final da festa, com um cachê de R$ 200 no bolso, ele partiria para Bangu, onde verdadeiramente mora de janeiro a novembro, até chegarem as renas e carregarem-no para os cafundós de todos os natais.

Ângela Fragoso Pires, a organizadora da festa, pegou o microfone, claro, ou não seria a Ângela. Falou. Agradeceu. Leu telegramas enviados por pessoas importantes que “não puderam comparecer”: a vice-primeira-dama dona Maria Gomes da Silva e o futuro governador Sérgio Cabral. Comemorando os 15 anos da Nuit de Noel, 15 joalherias doaram uma jóia cada uma, e os mimos foram sorteados. Se a Ângela cantou, você perguntou? Até a minha saída, o que se deu logo depois da sobremesa, não ouvi um lariri da ex-primeira-dama do Jockey.

Dona Naná Sette Câmara, parceira na organização da festa, pontificava vestindo um autêntico Jerson, em mesa concorrida. O médico Francisco Briggs com sua Gilda, ela dentro de um vestido cor-de-chocolate-ao-leite, com amigos portugueses. Maria Raquel de Carvalho, não preciso dizer e repetir, era o próprio avião-que-não-decolou-no-Galeão-e-foi brilhar-no-Copa. Não há falha em trafego aéreo que consiga apagar o brilho daquele possante turbinado que é a Maria Raquel.

Maria Clara Tapajós disputava o troféu de “vestido mais estampado” com a Odaléa Brando Barbosa. Ambas elegantes, claro. Carmem Mayrink Veiga não foi. Ficou em casa, no que fez muito bem para si, mas muito mal para nós, privando-nos de sua impactante e linda presença.

Daqui a pouco alguém gritou: a governadora está chegando! Era alarme falso. Rosinha deveria àquela hora estar encaixotando seus pertences para despachar rumo a Campos, nos ônibus da 1001. Mirna Bandeira de Mello estava de amarelo-gema. Interessantíssima. Milu Camarão, de vermelho-Noel, ao lado do Armando e do Luiz Fernando Redó. Milu é um espetáculo. Uma simpatia.

Mais presenças: Ângela Alhante, Belita Tamoio, charmosíssima, Marlene Carvalho com a filha Gigi, de “O Dia”, seu colunista Bruno Astuto, Priscila Levinson e Emerson Marieto em uma mesa movimentada, o cônsul argentino Luiz Belando, que ouviu dizer que a franja está na moda e arriscou, Lucy Sá Peixoto com o carnavalesco Mario Borrielo, a médica Odilza Vital, que criou a famosa (nos EUA) pílula do perfume, Julia, uma mulher internacional e linda, com o marido embaixador Mario Gibson Barbosa. A sogra do Kaká, o nosso rei do Milan, estava também. Rosângela Lira é o seu nome. É representante da grife Dior no Brasil. Alberto Sabino, charmosíssimo.

A turma rififi do “society” estava também. É aquela que se esforça, se esforça, mas, qual o que nadou-nadou, morre sempre na praia. Melhor: morre no piscinão de Ramos! Não consegue decolar. Tem dinheiro? Tem, sim, senhor! Tem bolsa de grife? Tem, sim, senhor! Tem apartamento na praia? Tem, sim, senhor! Tem casa na Barra? Tem, sim, senhor! Tem carro blindado-importado? Tem, sim, senhor! Viaja na primeira-classe? Viaja, sim, senhor! Tem charme, tem classe, tem a alma racé? Tem, não, senhor!
Pelo contrário:come até sobremesa com garfo e faca.
Sorry, periferia...

NA FOTO, a linda Andréa Rudge, primeiríssimo time social carioca, uma das mais elegantes da noite...

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Marketing social

Duda Mendonça fez escola. Surgiu no Rio a figura da marketeira para assuntos de eleição no Country Clube. Uma recente, alardeada e vitoriosa campanha custou U$ 20 mil. O serviço também opera em outros quadros societários. Por exemplo, para eleição no Marimbás, os honorários são mais em conta: R$ 8 mil mensais.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

José Maurício Machline adoraria que o “Prêmio Craque Brasileirão 2006”, que ele inventou e a CBF comprou, fosse realizado dentro de um vestiário, mas como não há banheirão onde caiba tanta gente, a segunda opção foi o Theatro Municipal, que na gestão da dona Severo não anda lá muito distante disso, não. Mas a festa do tal prêmio, segunda à noite, foi, digamos, engraçada.

Para começar, alguém achou de escalar a arroz-de-festa Taís Araújo e o apalhaçado, no bom sentido, Evandro Mesquita para “mestres de cerimônia”. Nada a ver. Alguém do esporte, ainda que não fosse do futebol, imprimiria muito mais charme. Por exemplo, um Gustavo Borges, uma cada vez mais espetacular Hortência...as opções são inúmeras. Se perguntar a Taís o nome do técnico da Seleção Brasileira, é capaz de ela não saber responder. Quem é que sabe, aliás: é Dunga ou Ricardo Teixeira?

Taís quis fazer graça, ao justificar sua completa ignorância sobre futebol. “Sou mulher, dá um desconto aí”.

Outra bobagem é o capítulo figurino. Não adianta. Machline, pimpão, gostaria de que fosse black-tie, quer se sentir no Oscar qual Mariah Carey, mas logo mudou para passeio completo. A maioria da turma confundiu e foi de “vamos passear no bosque, enquanto seu lobo não vem”. Com algumas exceções.

Os amigos do organizador, quase todos, foram escalados para uma encenação rápida no evento. Todo mundo com cachê, claro. Uma presença bacana, entre poucos: Tony Belloto. Acompanhado dos filhos Antônio e João.
Rogério Ceni pode até ter merecido o título de “Craque do Brasileirão”, mas daí a ser medalhado também como “Rei do futebol”, e dentro do Rio de Janeiro, é sintoma de que alguém anda com as idéias avariadas na comissão organizadora.