publicidade

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Copacabana não me engana

Prostitutas, garotos de programa a R$1, travestis, socialites do segundo time, a mixórdia de sempre, o baile "de gala" do Copacabana Palace. Houve quem precisasse dar um toque na Ariadne, para ela parar de dançar no palco, com trejeitos de vedete, que estava demais. Não fica bem para uma mulher "de sociedade".
Num camarote, comentava-se sobre o deboche que vem aí na lavra de Gilberto Braga, na novela Paraíso Tropical. Uma prostituta (Camila Pitanga) que virará socialite carioca.
E viva a natureza.

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Divagando sobre a "produtividade" de uns e outros

Li que a Beth Pinto Guimarães é "produtiva". Produz o quê? Tal e qual um pé de Goiaba? Produz Manga? Laranja?
Ah, já sei! Digamos que a Beth Pinto Guimarães seja um pé de brincos.

quinta-feira, fevereiro 15, 2007

FALTA DE ÉTICA NO COPACABANA PALACE

Quero deixar aqui registrado meu repúdio à prática de censura exercida pelo Copacabana Palace, ao negar credenciais para seu baile de gala de carnaval para colunistas, o meu caso, que não bajulam e não rezam na mesma cartilha da digníssima Relações Públicas, a cansada Sra. Claudia Fialho, e a assessora de imprensa Alair Guimarães, que atende pelo vulgo de Lalá, a última pedra de gelo do uísque servido no Aerolula.
Nada como um dia atrás do outro - tenho esta virtude de esperar.

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Brócolis é bom para osteoporose

A cansada "promoter" Ivone Kassu resolveu que vai pintar os cabelos de verde para brincar o carnaval. Tem de tomar cuidado para não ficar parecida com um maço de rúcula.

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

Campos chora a morte da Angela Bastos

Morreu agora à tarde a primeira-dama do colunismo social de Campos dos Goytacazes, a terra dos usineiros abastados no interior do Estado do Rio de Janeiro. Ângela Bastos (foto) passou pela vida exalando charme e simpatia, era "low profile" e racé. E cantava muito bem. Escrevia diariamente na "Folha da Manhã", de Diva e Aloysio Barbosa.
O povo chique de Campos, minha cidade do coração, está muito triste.

A dor de uma mãe no STF

Ministros do Supremo Tribunal Federal receberam uma missiva comovente entre as tantas que aportam diariamente naquela casa legisladora. Quem assina é a mineira Marlene Xavier, de Montes Claros, indignada com o assassinato do filho Igor Leonardo Lacerda Xavier, ocorrido em 2002. "Passaram tantos anos em que não sinto o abraço do meu filho, não vejo o brilho dos seus olhos, e que o som de sua risada cristalina nunca mais chegou aos meus ouvidos".
Assassinado "com cinco tiros por Ricardo Athayde Vasconcellos e o filho Diego", que "confessaram o crime", Igor era homossexual. "Não suporto gays", disse o assassino em depoimento. Marlene reclama da morosidade da Justiça e diz que os criminosos "de família tradicional andam livremente pela cidade", porque apoiados em "recursos e brechas das leis". Diz que o filho era incansável promotor da cultura na cidade e marcado pela "retidão de caráter, humildade e responsabilidade".

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Crônica de um casamento 'desanunciado'

Marcos Troyjo, vice-presidente do Jornal do Brasil, "um homem de largar a família, tão belo e espadaúdo", diz Cininha, desfez seu noivado com a Antônia Leite Barbosa, colunista do mesmo jornal. Está livre, leve e solto e, ontem, instalou a polvorosa entre o mulherio em coq no Copa.

As superpoderosas

Tem juízo quem não convidar as colunistas superpoderosas Lu Lacerda e Joyce Pascowitch para dividir o mesmo ensopadinho de jabá com jerimum.

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Tufvesson dá a Buda!

Acabei de ler no espaço do bem informado colunista Bruno Astuto, de "O Dia", que o Tufvesson resolveu dar a Buda o direito de abençoar seu casamento com o arquiteto-gato André Piva (ambos na foto).
E eu que pensava que o Tufvesson havia dado a Buda há muito tempo.
Havia dado sem cacofonia.

Cantaram de galo no Copa

E na festa em torno de Glória Perez, no Copa, eram tantas as penas, para tudo quanto era lado, que uma socialite, depois de doses cavalares de espumante, achou de entrar no clima e chacoalhar, e cacarejar, e bater com a mão na coxa em alto ritmo, có-có-có-ri-có, que... tchan, tchan, tchan, tchan! Acabou colocando um ovo.

Me poupe!

Acabei de ler em um site de por aí que a Suzana Vieira vai levar seu marido, aquele que quebrou o Motel, ao programa do Faustão, "para anunciar a reconciliação".
Ah, pára!
Suzana ainda acaba levando a faixa de Miss Tontona.

Alguém aí pode demitir a figurinista do Dunga?

Pelo amor de Deus.

Virou mania de paulista:

Fazer merda e pôr a culpa no remédio. Foi assim com o Ronaldo Ésper, e agora é o digníssimo prefeito Kassab, que a Câmara local quer mudar para Kassado. O homem agrediu o coitado do eleitor, naquela cena deprimente em um hospital, chamando o cabra de "vagabundo", e agora seus assessores espalham que o comportamento pode ter sido reação de um medicamento para emagrecer, que o alcaide anda tomando.
Fechem os laboratórios!

São Paulo à noite

O presidente Lula foi a um jantar de aniversário do cabeleireiro de dona Marisa. É. Agenda anda flexível. Wanderley Nunes, que não é esquisitão como seu concorrente Kamura, fez sei lá quantos anos. Mas com a possibilidade de receber a primeira-dama de cabelos acobreados, sua maior cliente-mídia, não mediu esforços nem poupou talão de cheques para tudo ficar nos trinques. Foi em São Paulo, no fim de semana. Jantar (penne com tartufo branco, rosbife enrolado em rúcula, palheta de cordeiro com risoto de açafrão, e mais, e mais). Entre os presentes, a bela modelo loura Eliza Joenck, que mereceu o seguinte comentário do presidente: “queria uma nora assim”. Lula não foi informado que a beldade tem marido, o também modelo Anderson Dornelles. Tom Cavalcante estava e fez show. Só não imitou o presidente.

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

"Vejinha" dá um coió em Ariadne

Disse que é nitroglicerina pura o "perfil" da rainha das quentinhas, Ariadne Coelho, que a Veja-Rio publicará neste finde. Pelo tom das perguntas que os repórteres fizeram a algumas personagens da chamada "alta" sociedade carioca, não ficará pedra sobre pedra. O triste é que a loura, egocêntrica e vaidosa, acha que a reportagem será uma "homenagem".
Isso é que é uma dor.

Eis um trecho:

"Houve um período em que as festas minguaram na realeza das quentinhas. Em 2000, Jair, que teve por catorze anos o monopólio do fornecimento de refeições para presídios do estado, foi preso. Acusado de formação de quadrilha, falsidade ideológica e emissão de documentos falsos, ficou 45 dias no xilindró. A partir daí, a harmonia dos Coelho não foi a mesma. O período coincidiu com o emaranhado de escândalos envolvendo Ariadne. Foi acusada de grampear o telefone de um casal de promoters, e levantaram-se suspeitas de que teria um caso com Alexandre Martins, que empresariou Ronaldo, o Fenômeno".