publicidade

domingo, março 30, 2014

Lenda social carioca, Maria Alice Silveira faz 103 anos rodeada de amigos. Na foto com a filha Alice Maria


sábado, março 29, 2014

Eu e Carmen


quarta-feira, março 26, 2014

O casamento de Gilberto Braga e Edgard Moura Brasil, o colírio...

                                                     Gilberto entre Lucinha Araújo 
                                                   e Lilibeth Monteiro de Carvalho


                                                       Os noivos com a Fernandona, 
                                                            idolatrada, salve, salve


                                                          Lilibeth Monteiro de Carvalho 
                                                                  e Lucinha Araújo


Fernandona, Silvio de Abreu
 e Glorinha Pires 

 Gilberto entre Deborah
Evelyn e Glorinha Pires

Os noivos e o bolo

Gilberto Braga passou o dia inteiro de sábado ansioso, como acontece com aquele tipo de gente que esmera nos detalhes que fizeram de Olga Portella a grande anfitriã das novelas que ele escreveu. Decerto que Olga era cafetina, e racé a ponto de distinguir licor de conhaque, vermeil de vermelho de batom, e Gilberto é o gentleman que todo o primeiro time carioca aprendeu a admirar.
.
Longe da cafetinagem que marcou a Portella, mas reina nos mais altos salões do Rio, pois o que mais há nas colunas sociais cariocas é cafetão de histórias alheias, Gilberto chamou o pessoal de casa – uma empresa média, tantas carteiras assinadas – no café da manhã e decretou: “quero tudo perfeito hoje à noite”. Era a festa do casamento dele com o decorador Edgard Moura Brasil, que moram juntos há mais de 40 anos num big apartamento na Praia do Arpoador.
.
E a noite foi perfeita, afora, evidentemente, a presença de alguns que se julgam “amigos íntimos”, mas são meros prestadores de serviços: fornecem os salamaleques melados que servem de inspiração para as personagens escorregadias que, volta e meia, surgem da lavra do anfitrião. Gilberto também precisa disso.
.
Todo o primeiro time da TV estava, com destaque para Fernandona, com duas peças marinho/off lilás – calça e camisa, esta com uma quase “tudor ruff”, aquelas golas plissadas próprias das rainhas vitorianas. Dênis Carvalho contando que parou “de fumar”. Mentira: cheirava a cigarro. Glória Pires, uma uva, vestida da cor da cabernet sauvignon. Lucinha Araujo aproveitou que era casamento sem noiva, e foi com uma túnica branca – renda mariscot. Digamos que Lucinha seja mesmo a noiva dos donos da casa, amiga que é.
.
Ambos os noivos vestiam calça preta e camisa branca. Simplérrimos. E quando Bruno Astuto surgiu carregando André Ramos e Bruno Chateaubriand, pois lhes presta serviço, alguém comentou, sentado na bérgère cor-de-carne: “chegaram as palhaças”.
.
(Cristina Granato fotografou)

terça-feira, março 25, 2014

terça-feira, março 04, 2014

O apelido do Paulo Barros


Foi só eu postar no Twitter que achava esquisito esse corpo de halterofilista do carnavalesco cinquentão da Unidos da Tijuca, para minha caixa postal lotar de e-mails (e eu ainda subestimo a internet).
É a turma me dizendo que ele há muito ganhou apelido, desde que aderiu à prática dos exercícios com "suplementos" e cabelos acaju:
.
Só o chamam de "Globeleza" na Cidade do Samba.

Foto: O Globo/reprodução