publicidade

quinta-feira, dezembro 21, 2017

Coitada da Wanessa Camargo. No Twitter...

Não gosto da Wanessa Camargo, mas não odeio a menina, que nem conheço, como aliás não odeio ninguém, diga-se. Não gosto da música que ela faz. Ponto. Mas também não sou igual ao Calango, embusteiro, subserviente, mais falsa que nota de três reais, que, quando escrevia no jornal "O Dia", chamava a moça de "Uanêssa", e logo se rendeu a um telefonema do marido dela, o caixa-alta capixaba Marcus Buaiz, ex-sócio do Ronaldo Fenômeno, morrendo hoje de amores pela sertaneja.
Pois bem. Nesse "Festeja" da TV Globo, especial musical com as mulheres sertanejas e a cafona da Pabla Evitar, surgiu a Wanessa Camargo no meio das divas, para cantar.
Eis que no Twitter apareceu uma hashtag com o nome da filha do Zezé de Camargo, subindo feito aroma de pão fresco, e lá fui para observar.
Gente, mas o que o povo fala mal da moça, meu Deus.
Se eu fosse Wanessa, mudava pra Miami.
Por aqui não vai dar pé, não.
.
PS. O que esperar para alguém que gravou vídeo de apoio a Aécio Neves? Só execração pública.

domingo, dezembro 17, 2017

Difícil deve ser a hora de pôr o cinto...

A SingaporeAir lançou possantes com suítes iguais a esta da foto. Na próxima, quero ir numa igual. Imagine-se a 37 mil pés refestelando-se numa dessas...

sábado, dezembro 16, 2017

Cirurgia plástica, urgente

Em recente festa no Rio, Luiza Brunet e Narcisa Tamborindeguy surgiram repaginadas por bisturis. O cirurgião plástico da Narcisa ganhou nota 10 dos observadores, o da Luiza Brunet, nem tanto.
E você, o que acha?
Fotos de Cristina Granato. Montagem nossa.

A lista dos "mais elegantes" de 2017 apontados pela revista Vogue, da Editora Globo.

Aguarde minhas considerações.

terça-feira, julho 04, 2017

Dior, 70 anos. New Look à italiana em Paris

Dior em 1947, 
decretando novo 
comprimento das saias

A área externa 
do Musée des Invalides, 
Paris, onde se deu o desfile

O reinado de vida de Christian Dior durou apenas 10 anos, mas a prova do seu talento inegável é a de que sua marca acabou de completar 70 anos, e em franca expansão mundial a partir da França. Agora comandada pela loura italiana Maria Grazia Chiuri, a grife fez um show daqueles magníficos, anteontem, na área externa do Musée des Invalides, para lançar sua nova coleção Haute Couture.

Mais prova de poder do francês que mudou o rumo da moda é o fato de que tudo que foi apresentado parece ter sido desenhado por Dior: as cinturas marcadas, as "jaquetas" Bar, as saias-corolas, a saias gomadas inspiradas nos vestidos Zémire e o preto (muitos pretos e cinzas). Desobedecendo, apenas os 40 centímetros da barra da saia ao chão - o “new look” de 1947. Aliás, inspirado por Chanel, talvez, Dior deixou na história uma frase antológica sobre o preto: "Você pode usar preto a qualquer momento. Você pode usá-lo a qualquer idade. Você pode usá-lo para quase qualquer ocasião. Um pequeno vestido preto é essencial para o guarda roupa de uma mulher".


Maria Grazzia convidou o artista plástico italiano Pietro Ruffo, seu grande amigo, para dar um toque especial ao museu, e a inspiração, o briefing do trabalho pedido e do que seria apresentado na passarela pautava-se nas viagens feitas por Dior mundo afora. Uma ocasião globetrotter. E tudo se deu em um cenário circular, tal e qual um globo terrestre delimitado por suas nações, cada continente uma cor, tudo salpicado com esculturas de animais feitas de madeira, e assim se podia ver girafas, rinocerontes, tigres, macacos e leões naquela savana africana ou selva asiática perfumada e cheia de estrelas - do cinema, da moda e das colunas sociais europeias - sentadas à beira do caminho.

PS. Para marcar os 70 anos da Casa Dior, há uma exposição em cartaz no Musée des Arts décoratifs, até dia 7 de agosto. Imperdível.


Celine Dion


A cintura. A mesma de 1947


A socialite italiana Francesca Chelli


Jennifer Lawrence


Kirsten Dunst


A anfitriã Maria 
Grazia Chiuri, à dir., 
e a modelo Karlie Kloss


Natalie Portman 


Robert Pattinson

O casal power 
das altas rodas europeias: 
Johannes Huebl e 
Olivia Palermo



A "jaqueta" Bar, inspiração do New Look


Exposição em cartaz no Musée des Arts décoratifs, 
até dia 7 de agosto. 70 anos da Casa Dior

sábado, junho 24, 2017

O que aconteceu com Fabio Assunção em Pernambuco?

Minha meia-dúzia de leitores sabe que não sou afeito a publicar notícias de TV, a não ser que sejam sobre dona Ruth de Souza, Fernandona Montenegro e Laura Cardoso, mas Fábio Assunção foi preso "por desacato", no interior de Pernambuco, onde estava a divulgar um trabalho feito para o cinema.
Claro, os tempos são os do "Face Live", e uma alma nada caridosa tratou de filmar a prisão e pôr na internet.
No vídeo, aparece até um pernambucano dizendo que o ator seria "linchado", que coisa.
O fato é que o ator estava alterado, não se sabe se apenas por ter tomado pinga, mas já há gente dizendo no rádio que ele teve uma "recaída nas drogas". Que sina! Nestas horas, há especialistas e conselheiros em/sobre tudo.
Se ele desacatou a poliçada do lugar, não posso dizer, mas que é um exagero o cabra pernambucano gritar que o ator seria "linchado", é.
Agora, vamos aguardar as entrevistas - na Sônia Abrão, não como pão - do soldado da PM e do delegado, todos querendo um minuto de fama às custas do galã. Que aliás está em cartaz no Viva, naquela novela da Branca, do Manoel Carlos, e da meio-metro Regina Duarte, que vomitou ter votado "no Aécio", mas agora teve de engolir a golfada.
Fico com o Assunção! Sempre.


domingo, abril 09, 2017

TROFÉU "O TRAQUE DE SEMPRE"

Quanta deselegância do sr. Ricardo Amaral, hoje, falando do Neymar no jornal "O Globo", como se o Neymar precisasse dele para alguma coisa. E ainda tem gente que idolatra esse ridículo, só pra tomar uísque de graça.

Comigo nunca teve vez.